A nova coleção da Stradivarius é uma vénia a Frida Kahlo

A marca espanhola lançou uma coleção cápsula colorida e irreverente inspirada na pintora mexicana. Conheça melhor esta mulher única que marcou para sempre o mundo das artes e da moda.

Frida Kahlo. Muitos já ouviram este nome e até o associam a uma mulher morena com as sobrancelhas unidas, de lábios vermelhos, brincos compridos, flores na cabeça e roupas coloridas. Mas será que todos sabem quem é?

Magdalena Carmen Frida Kahlo Calderón nasceu em 1907 na pequena vila de Coyoacán, na Cidade do México. Herdou do pai, o fotógrafo Guillerm Kahlo, o gosto pelas artes e o sentido revolucionário e patriótico. Aos seis anos teve poliomielite que lhe atrofiou um pé e a fez ficar com a perna direita mais curta e mais fina, mas foi aos 18 anos que um trágico acidente de autocarro lhe mudou a vida. Várias fraturas na coluna, nas costelas, no ombro e no pé resultaram em inúmeras operações e em lesões irreversíveis.

A imobilidade não a deixava sair da cama, então o pai emprestou-lhe tintas e pincéis e a mãe montou-lhe um cavalete adaptado e um espelho no teto. Foi assim que Frida começou a pintar, deitada, transformando as suas limitações e frustações em arte. Encontrou na pintura uma forma de sobreviver e expressava na tela as suas dores, angústias e ansiedades. Fez 55 auto-retratos e todos eles representavam vários episódios da sua vida. O primeiro, pintado em 1926, foi dedicado ao noivo, Alejandro Gómez Arias, que a abandonara.

As obras de Frida Kahlo exploram temas da cultura popular mexicana, misturam elementos da mitologia, símbolos indígenas e animais, sempre pincelados com cores fortes e vibrantes. Muitos apelidaram-na de uma artista surrealista mas ela afirmou que nunca pintava sonhos, apenas a sua própria realidade.

Veja na galeria alguns dos quadros mais emblemáticos da pintora.


Conheceu Diego Rivera, um famoso pintor mexicano, quando lhe mostrou alguns dos seus quadros e lhe pediu uma opinião. Acabaram por se apaixonar e viver um casamento intenso, extravagante e conturbado, marcado por três abortos e vários casos extra-conjugais. Partilhavam o gosto pela pintura e os mesmo ideais políticos, eram ambos do Partido Comunista Mexicano. Frida considerava-se uma filha da revolução e uma feminista convicta, batalhou por causas sociais, defendeu a libertação sexual e promoveu a igualdade de género.

Durante três anos viveu com Diego nos Estados Unidos, algures entres as cidades de Detroit, São Francisco e Nova York, e é lá que o seu talento é revelado aos quatro cantos do mundo e se distingue por um estilo único, original, ousado e irreverente. De regresso ao México amputam-lhe os dedos do pé, tenta o suicídio e separa-se de Rivera, voltando a casar-se com ele um ano depois.

A sua primeira exposição individual aconteceu em 1938 na Julien Levy Gallery, em Nova York. Foi ainda a primeira pintora mexicana a ter uma obra no Museu do Louvre, em Paris, mas só um ano antes da sua morte vê o seu trabalho exposto no México. Morre aos 47 anos, vítima de embolia pulmonar, em sua casa – a famosa Casa Azul – onde hoje é o Museo Frida Kahlo.

Dona de uma personalidade forte, corajosa, independente e apaixonante, Frida Kahlo foi rebelde, ativista e desconcertante. Influenciou não só o universo das artes, ao ser uma das maiores artistas do século XX, mas também o mundo da moda, tornando-se num verdadeiro ícone.

O seu estilo tinha sempre um toque pessoal e uma linguagem muito própria. As suas inspirações, referências e posicionamento político são evidentes no seu guarda-roupa, composto por peças coloridas e tipicamente mexicanas, como é o caso dos vestidos Tehuana ou do rebozo, um espécie de xaile longo. Este tipo de traje permitia-lhe que disfarçasse a perna mais curta e protegesse o seu corpo fragilizado.

Mas não era apenas pela roupa que Frida chamava a atenção. Os acessórios XXL e os seus penteados exóticos, feitos com tranças, fitas coloridas e flores naturais são ainda hoje uma das suas imagens de marca.

Em 2012, quase 60 anos após a sua morte, a pintora foi capa da Vogue mexicana e as cores, os bordados e a tendência étnica inspiraram inúmeros designers de moda como Dolce & Gabbana, Carolina Herrera, Givenchy, Valentino, Moschino, Alexander McQueen ou Jean Paul Gaultier.

Este ano foi a vez da gigante espanhola Stradivarius homenagear a pintora com uma coleção cápsula, onde não faltam cores alegres, padrões florais e estampados. As t-shirts com o rosto de Frida ou com algumas frases alusivas ao seu universo pessoal e artístico são exemplos do que pode encontrar no nosso Centro! Espreite a galeria com as nossas sugestões.

Categorias
Moda
Partilhar

Tudo o que precisa num único espaço